Educação da Unicamp rejeita ‘Escola sem Partido’

Câmara de Vereadores
Rose Guglielminetti

A Faculdade de Educação da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) divulgou nota ontem, em que sustenta que o projeto de ‘Escola Sem Partido”, que começou este mês a tramitar na Câmara de Campinas, ‘é inconstitucional”.

De acordo com a nota, essa proposta foi julgada inconstitucional pelo ministro do STF (Superior Tribunal Federal) Luis Roberto Barroso, quando da tentativa de implementação no Estado de Alagoas.   

“E o é, pois fere alguns dos princípios constitucionais, dentre eles: liberdade de ensino, pluralismo de ideias e concepções pedagógicas, e a gestão democrática no âmbito escolar”, diz a nota da Faculdade de Educação.

O projeto é de autoria do vereador Tenente Santini (PSD) e prevê que os professores não poderão tratar de nenhum assunto que não esteja relacionado com a disciplina. O projeto prevê ainda que os docentes não poderão estimular estudantes a participarem de manifestações políticas como passeatas ou atos públicos. Além disso, não poderão tratar de questões referentes a identidade de gênero.

Sobre o autor

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou editora-executiva do Jornal Metro de Campinas e comentarista política da Band-Campinas. Também sou âncora do programa “Bastidores do Poder”, que vai ao ar todos os dias das 13h10 às 14h, na Band Campinas. Apresento ainda o Entrevista Coletiva, programa a Band. Tenho paixão pela minha profissão de repórter. E entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Comentários

  • O projeto, de autoria do vereador Tenente Santini (o mesmo que deseja o retorno da ditadura militar), propõe regras inspiradas na ideia da Escola sem partido e, entre tantas bobagens e restrições, proíbe o professor de estimular que alunos participem de manifestações, atos públicos ou passeatas.

    Bem, ideias estúpidas seguem encantando imbecis de todo gênero… Assim é o tal “Programa Escola sem Partido”, um monstrengo apresentado como iniciativa de estudantes e pais, que estariam preocupados com o grau de contaminação político-ideológico das escolas brasileiras, em todos os níveis. Mas não se trata disso, é apenas mais um exemplo da inflexão conservadora, mais um movimento que busca afirmar sua própria ideologia e o faz de forma dissimulada.

  • Sensatez vai tomando conta neste debate. Cunhar o projeto de “escola sem partido” é uma forma sacana de tentar impor um método de ensino autoritário, do não ensino, preconceituoso e desconhecimento do mundo real, sem visão critica da sociedade. Parabéns para a Unicamp e sua Faculdade de Educação e tantos outros que já manifestaram seu repúdio contra mais este projeto absurdo na Câmara Municipal de Campinas. Vai para o rol do “Gol da Alemanha” .

  • O Vereador Tenente Santini, em boa parte, tem razão.

    As escolas de públicas de ensino médio, principalmente, são palcos de proselitismo de esquerda por parte de vários professores.

    Na UNICAMP é pior, 90% dos professores são petistas ou comunistas; fazem doutrinação com os alunos. Quem não segue essa linha dificilmente conseguirá fazer um mestrado ou doutorado na própria universidade, ou até se tornar professor ou pesquisador.

    Nada contra esquerda ou direita, mas escola não é lugar para aulas de política; no máximo, aulas de filosofia e sociologia.

    Cumpre lembrar, também, que o Tenente Santini foi eleito democraticamente e deve ser respeitado.

    • onde é lugar pra se falar de política? No trabalho? Em casa? Onde houver pessoas reunidas vai se falar de política, assim como se fazia na Grécia Antiga, de onde foram tirados ideais democráticos. E a escola é por natureza o ambiente da discussão, de qualquer discussão. Quem apoia essa idiotice de escola sem partido é um protofascista, que sente saudade da ditadura ou que não sabe o que ela foi. que pede liberdade, mas não sabe o que ela significa.

    • Trabalho e estudo na Unicamp e não vejo nada disso que você diz. Deve ser um coxinha frustrado que agora joga sua raiva justamente por não ter conseguido uma vaga lá, uma das maiores universidades da América Latina, com estudantes do mundo todo, num ambiente de convivência entre todas as identidades de gênero, partidos e opções, como deveria ser uma sociedade justa, e não com alguns dizendo como se deve viver.

    • Ensinar religião, enfiar cristianismo goela abaixo pode, agora ensinar o jovem a não aceitar de boca fechada as imposições de governos e elites, isso é errado, pedro bala reacionário ridículo?

  • Então as escolas devem ter um partido de estimação? Vindo da Unicamp, uma das maiores instituições partidárias do país, onde boa parte dos “estudantes” são ligados aos partidos de esquerda (psol, pt, pcdob, etc) não é nada estranho que estejam contra.

    Escola não deve ter partido algum, seja de esquerda, centro ou direita.

    • Falar de política é ter partido? Se fossem ligados aos partidos de direita haveria problema? Parece que não, pois só se fala que há doutrinação de esquerda. Já procurou um dicionário pra saber o que é doutrinação? Partido de estimação é a coisa mais idiota que alguém pode escrever. Se você tem afinidades com algum partido qual o problema em debater com alguém que tem afinidade por outro? Em um ambiente que concentra tantas pessoas grupos que tem concepções políticas comuns se juntam naturalmente. Seja na escola ou no trabalho ou qualquer lugar. Essa ideia de escola sem partido é só mais uma estupidez, que junta pessoas estúpidas.

      • Até onde eu sei, o projeto é de autoria de um vereador, ou seja, um projeto para as escolas M U N I C I P A I S.
        Então as crianças devem ser doutrinadas desde pequenas, aos sete anos? O que uma criança entende de política?
        Pelo visto o estúpido aqui é voce, que está achando que o projeto engloba as universidades.

        É impossível conversar sobre qualquer assunto com quem é fanático. É pura perda de tempo!

        • Mas foi vc qm trouxe o assunto da universidade a este debate, no comentária anterior! Ele apenas te respondeu.
          Se a criança não entende de política, então não existe doutrinação, certo? Pq amordaçar um discurso q não existe? Óbvio q apenas estou analisando seu raciocínio. O meu é bem diferente.

  • Não existe ensino sem ideologia. Essa historinha de “escola sem partido” ou uma suposta “neutralidade” ideológica é, em si, um posicionamento ideológico. Temos que ser honestos: estes que defendem a escola sem partido são na realidade pessoas com forte viés ideológico de direita, muitos beirando o fascismo. O que se quer com esta proposta, na realidade, é censurar as ideias da esquerda e promover os discursos totalitários e fascistas. E, só para frisar, a unicamp está longe de ser um reduto de esquerda. Uma das melhores coisas que existe por lá, é justamente a diversidade de ideias, coisas que se põe em risco com esta proposta do vereador-tenente.

  • Vamos polemizar??? A imposição da mordaça aos professores se dá por que o discurso da esquerda é ruim, ou por que a direita não tem discurso? Mesmo que a esquerda tenha um discurso ideológico, radical e, muitas vezes, utópico, é melhor que o discurso de aumentar impostos e penalizar a população. Ou não?

    • Política significa coisa pública e educação é coisa pública então tem que estar nas escolas. Política independe de partido, política tem que ser ensinada pra que nossos jovens aprendam como votar, pra não elegerem mais os idiotas e nem mesmo os canalhas que nos governam hoje.

Deixe o seu comentário