MEIO AMBIENTE

Comdema vai ao MP contra mineração

A reativação de atividade mineradora na estrada que liga Campinas a Hortolândia, nas proximidades do Bairro Boa Vista, em Campinas, colocou em alerta o Comdema (Conselho Municipal de Meio Ambiente) e acabou com uma representação junto ao Ministério Público.

De acordo com o coordenador de Câmaras Técnicas, de Planejamento e Licenciamento Ambiental do Conselho, Carlos Alexandre da Silva, a empresa Brasplan, não apenas quer retomar a extração de minério na região que está suspensa há aproximadamente três anos, como também pretende ampliar a área a ser explorada.

Carlos Alexandre diz que a atividade vai provocar grande impacto nos bairros do entorno. Haverá, diz ele, a necessidade de explosões, o que vai gerar grande poluição sonora, além da vibração. Diz ainda que haverá poluição do ar, com a emissão de poeira e a grande movimentação de caminhões.

Segundo ele, um estudo do Comdema mostrou que a nova área de exploração vai atingir 18,8 hectares e uma atividade de escavação ao ar livre que chegará a 5,5 mil m2. A escavação deverá atingir 119 metros de profundidade. O objetivo é produzir cerca de 1,2 milhão de toneladas de brita por ano, material que será usado na construção civil.

Carlos Alexandre diz que  a autorização para operação só deveria ocorrer depois da realização de audiências públicas, o que não aconteceu.

De acordo com ele, há um abaixo-assinado com membros de 240 famílias, que querem ser ouvidos. “Essa atividade coloca em risco a saúde pública e traz risco ambiental claro”, diz o coordenador do Comdema.

Cetesb

O gerente da regional Campinas da Cetesb – o órgão ambiental do Estado – Domenico Tremaroli disse ontem que a empresa Brasplan Comercial Consultoria Assessoria e Planejamento Ltda. tem o direito minerário ativo e possui licença de operação até 2020.

Ele conta que no dia 29 de março deste ano, a empresa recebeu a licença prévia para a ampliação da área a ser explorada e está apta  a se instalar. Lembra, no entanto, que a mineradora terá de obter licenças referentes a exigências técnicas, que deverão tratar justamente dos impactos que poderá provocar, como incômodo e o risco ambiental.

Segundo ele, o tipo de atividade proposta para a área não exige a realização de audiências públicas. O Metro Jornal não conseguiu contato com a empresa.

Sobre o autor

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.