Câmara Federal

Criação do Parque de Barão Geraldo chega à Câmara Federal

A discussão sobre a criação do Parque de Barão Geraldo, na Fazenda Rio das Pedras, chegou à Câmara Federal. Nesta quarta-feira (29/10), o federal Renato Simões (PT/SP) conseguiu aprovar na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Casa Legislativa a realização de uma audiência pública para debater o assunto.

Foram convidados o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Roberto Ricardo Vizentin; o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB); e Manuel Rosa Bueno, coordenador do movimento popular pela criação do parque.

Simões explica que a fazenda Rio das Pedras é uma enorme propriedade particular, cujo interesse ambiental vem sendo discutido em várias instâncias da Prefeitura de Campinas, do Estado de São Paulo e também da União. “O interesse da União é defender os fragmentos de Mata Atlântica presentes naquela propriedade e também criar um corredor para consolidar a união desses fragmentos para a movimentação da fauna em direção a área de proteção ambiental de Sousas e Joaquim Egídio, que é contígua a Fazenda Rio das Pedras. Portanto, será um estímulo ao diálogo dos vários entes federados”, ressaltou o petista.

Isso porque a fazenda Rio das Pedras tem o maior lago da região de Campinas. São  cerca de 500 hectares, sendo que aproximadamente 200 hectares são área de preservação ambiental desde 2003. Na área preservada é proibida a construção civil e qualquer deterioração do meio ambiente, de acordo com a assessoria de imprensa do petista.

Sobre o autor

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Atenção

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da autora do blog. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A autora poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Adicionar comentário

  • Finalmente um projeto que vai de encontro aos interesses de preservação ambiental e não da especulação imobiliária.

    Muito bom !

  • A criação do Parque rio das pedras colocará Campinas na vanguarda das cidades ambientalmente corretas, projetando-a internacionalmente como exemplo de cidade que se preocupa com a qualidade de vida de seus habitantes e do seu meio ambiente. As gerações futuras serão eternamente gratas a essa ação presente. Parabéns a todos que lutam por essa causa.

  • Primeiramente é preciso entender a diferença entre parque público e parque categoria de unidade de conservação. Um parque público vai na direção contrária da conservação. Se a intenção é que a área funcione como corredor ecológico, deve-se evitar a presença humana para não espantar a fauna! Um parque unidade de conservação seria mais adequado no sentido da conservação, mas não vejo que essa seja a melhor categoria. Novamente, é preciso entender o objetivo. Sendo a conservação, uma categoria interessante poderia ser a de refúgio de vida silvestre, uma vez que prioriza a conservação da fauna migratória que utiliza o lago, por exemplo, além de permitir que a área seja particular. Temos que ter em mente que a desapropriação de uma área dessas é extremamente onerosa e o poder público não tem recurso suficiente para isso. Além do mais, existem outros instrumentos de conservação que não exigem desapropriação e com o recurso que seria gasto com isso muitas outras ações poderiam ser feitas.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.