Administração municipal ELEIÇÕES 2018

GM contesta esquema de proteção às urnas nas escolas da prefeitura

Rose Guglielminetti
Escrito por Rose Guglielminetti

Guardas Municipais de Campinas contestam o esquema de proteção às urnas montado pela Secretaria Municipal de Segurança para as eleições de domingo.
De acordo com o esquema, as 69 escolas municipais que ficarão sob responsabilidade da GM vão contar com apenas um agente para fazer a guarda da urna e da mídia eletrônica a ser usada no pleito. Além disso, dizem, cada agente terá de se deslocar para a escola com o próprio carro.

“As escolas municipais estão localizadas, em grande parte, nas áreas mais vulneráveis da cidade. Que tipo de segurança um guarda sozinho pode oferecer em locais assim”, argumenta o diretor da área de segurança do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, Lourivan Valeriano.

“Além do mais, isso desrespeita normas internas, que prevê que qualquer tipo de procedimento tem de ser feito por pelo menos dois agentes”, acrescenta. “Já pensou uma mulher, sozinha, tomando conta das urnas num bairro perigoso?”, questiona.

Além da falta de segurança para o agente, o sindicato critica o fato de o agente ter de se deslocar para a escola com o carro próprio.

“Isso não faz o menor sentido”, diz. “O cara que não tem carro vai de ônibus?”, questiona ele.
Valeriano diz que a orientação dada aos GMs é a de que todos devem se dirigir para a base e só saírem de lá com a garantia de que o plantão será feito em duplas e que os deslocamentos para as unidades escolares sejam feitos com veículos da corporação.

Outro lado
O secretário de Segurança, Luiz Augusto Baggio, reagiu às ponderações dos GMs. “A PM, a PF, todas as forças de segurança trabalham assim”, rebateu. “A não ser que os nossos guardas se considerem inferiores aos outros”, acrescentou.
Baggio diz que a norma que prevê o trabalho em dupla “não existe” e que o esquema de um agente por escola é o possível. “Eu não consigo tirar gente de armário. Eu tenho um efetivo, que precisa levar em conta as folgas”.
O secretário diz não ver problema no uso do carro particular pelos guardas. “Como é que eles vão trabalhar todos os dias?”, pergunta. “É como um dia qualquer de trabalho”, responde.
Sobre a possibilidade de resistência dos GMs, Baggio foi categórico. “Isso seria desobediência. Neste casos eles precisarão explicar à Justiça Eleitoral”, afirmou. “Eu vou lamentar muito se isso acontecer”, acrescentou.

Texto: Tote Nunes

Sobre o autor

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.