Início » Morre o maestro Benito Juarez que dirigiu por 25 anos a Orquestra Sinfônica de Campinas

Morre o maestro Benito Juarez que dirigiu por 25 anos a Orquestra Sinfônica de Campinas

Morreu na madrugada desta segunda-feira (03/08) o maestro Benito Juarez, aos 84 anos. Ele foi diretor artístico e regente da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas por 25 anos (de 1975 a 2001). A causa da morte não foi informada. Ele deixa cinco filhos e netos. A prefeitura decretou luto oficial por três dias.

Ele estava internado numa clínica de idosos. Não há informações sobre o velório e enterro.

Nas redes sociais, o filho do músico, André Juarez, lamentou a morte do pai. “Meus amigos, comunico o falecimento do meu amado pai, o maestro Benito Juarez. Descanse em paz, Baxoca. Vou honrar seu nome sempre. ‘Muita força, moleque!!!'”, escreveu ele em sua página do Facebook.

Durante a sua gestão à frente da Sinfônica, o maestro conquistou diferentes públicos pela pluralidade de repertórios, que transitaram entre o erudito e o popular. Além disso, esteve à frente do histórico concerto em favor das Eleições Diretas para Presidente, em 1984.

O prefeito Jonas Donizette (PSB) decretou luto oficial de três dias em Campinas. “Meus sentimentos à família, amigos e aos milhares de admiradores”, disse o prefeito.

Em abril, a Secretaria de Cultura transmitiu no Canal “Cultura Abraça Campinas”, o concerto concerto realizado no Teatro Municipal de São Paulo, em 13 de dezembro de 1975, sob a batuta de Benito Juarez. No repertório, estavam trechos do famoso Oratório “O Messias”, de Georg Friedrich Haendel (1685-1759). A apresentação contou com as participações do Coral da Universidade de São Paulo e dos solistas Sônia Born (soprano), Lenice Priolli (contralto), Cláudio Lísias (tenor) e Ziunglio Faustini (baixo).

Quem era

Ele nasceu no dia 17 de novembro de 1936, em Januária, em Minas Gerais. Além de estar à frente da Orquestra Sinfônica de Campinas, eel também foi um dos fundadores do Coral da USP, criado em 1967.

Após sair da prefeitura, em 2001, ele criou e foi regente titular da Banda Sinfônica do Exército. Ele foi o fundador do Departamento de Música e da Orquestra Sinfônica da Unicamp. Na universidade, ele deu aula de regência no Instituto de Artes.

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

2 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Gostaria de ressaltar algo mais sobre o maestro Benito Juarez. Ele foi um dos raros maestros a ter a ousadia, entre os anos 70 e final do século, a levar música erudita aos bairros, mesclada com música popular, bossa nova, enfim, encontrou uma forma de levar a beleza da música à periferia. Por causa da popularização do clássico, ganhou muitos olhares tortos, daqueles que não viam com bons olhos se voltar para as massas. Benito, no entanto, conquistou respeito pela ousadia, com a mesma competência em qualquer lugar. Além de tudo, era de um coração imenso e um bom amigo.

  • Gostaria de propor uma correção a um dos dados divulgados: Benito Juarez nasceu em 1933, portanto tinha 86 anos. Completaria 87 em novembro deste ano.

Mais Categorias