Aqui política se discute.
Início » MPF de Campinas investiga quadrilha que lava dinheiro com importação de cavalos

MPF de Campinas investiga quadrilha que lava dinheiro com importação de cavalos

O MPF (Ministério Público Federal) de Campinas e a PF (Polícia Federal) cumpriram mandados de prisão e de busca e apreensão na cidade de São Paulo dentro da Operação Sangue Impuro – que investiga uma quadrilha que lava dinheiro com importação de cavalos com preços subfaturados. Os animais eram internalizados pelo aeroporto de Viracopos. Segundo o MPF, o prejuízo causado com a fraude aos cofres públicos é de cerca de  R$ 160 milhões.

Segundo a assessoria de imprensa, foram detidos um  homem e uma mulher suspeitos de atuarem como “doleiros” responsáveis pelas transações de pagamento diretamente aos exportadores em países estrangeiros, sem declaração às autoridades brasileiras (Receita Federal e Banco Central), de diversos cavalos importados com preços subfaturados. Apurou-se que a investigada é uma pessoa fortemente ligada ao hipismo, sendo conhecida competidora de provas nacionais e internacionais.

Segundo o procurador da República Fausto Kozo Matsumoto Kosaka, novas medidas investigativas semelhantes em face de outros investigados não está descartada.

O caso

A operação Sangue Impuro investiga quatro diferentes grupos criminosos que se dedicavam reiteradamente à importação subfaturada de cavalos de competição de salto, de elevado valor (alguns animais podem valer mais de R$ 1 milhão), internalizados pelo aeroporto de Viracopos.

Em alguns casos, eram informados nos documentos de importação dados falsos do importador e/ou do exportador com o objetivo de ocultar os reais envolvidos nas transações (crimes de falsidade ideológica e de uso de documento falso). Em outros casos, o valor declarado dos equinos era bem inferior ao verdadeiro, com objetivo de reduzir os tributos aduaneiros mediante fraude (crime de descaminho).

A fiscalização descobriu que muitos cavalos que foram importados disputaram competições internacionais, saltavam obstáculos de mais de 1,40 m e tinham preço superior a 100 mil euros cada, mas eram declarados à Receita Federal brasileira por valores bem menores, geralmente entre 1,5 a 8 mil euros cada.

E em algumas das situações, os crimes aconteceram simultaneamente: falsidade nos dados do importador e do exportador e declaração do preço do equino em valor menor que o real.

Também há suspeita de que as importações foram pagas ao exportador diretamente no exterior, com o uso de recursos não declarados às autoridades brasileiras (crimes de evasão de divisas e de lavagem de dinheiro). O cumprimento dos mandados nesta data busca apurar principalmente esta última vertente da investigação.

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Marcos Andrade

Marcos Andrade

Marcos Andrade é formado em jornalismo pela Unesp e pós graduado em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais pelo Senac. Com passagens pelas rádios Band News FM e Bandeirantes de Campinas, é produtor do programa Bastidores do Poder da Band Campinas desde 2016.

Zezé de Lima

Zezé de Lima

Jornalista que começou no Diário do Povo, quando a sede era na César Bierrembach, e com histórias no Jornal de Domingo e Correio Popular. Na última década, já fiz de tudo na Band Campinas. Hoje posso fazer só o que gosto.

Mais Categorias