Início » Pandemia provoca defasagem de até 40% na aprendizagem e Campinas vai rever currículo

Pandemia provoca defasagem de até 40% na aprendizagem e Campinas vai rever currículo

Após uma pesquisa que mostrou que os alunos das escolas municipais estão com defasagem tanto no ensino de Matemática quanto de Língua Portuguesa devido à pandemia, a Prefeitura de Campinas vai contratar pessoal, rever o currículo e investir em tecnologia para tentar reduzir os prejuízos na aprendizagem entre os alunos da Educação Infantil (pré-escola), Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

A avaliação foi aplicada em 4.551 estudantes que cursavam o 4ª e 5ª anos entre novembro do ano passado e janeiro deste ano. Constatou-se que 15% não tiveram a alfabetização consolidada. Isso significa que eles não alcançaram os níveis desejados em leitura e escrita. Em um cenário sem pandemia, esses índices seriam de 7%.

Já em relação aos conteúdos de Matemática, tomando por base os 6ª e 7ª anos, um total de 4.111 estudantes foram avaliados, cerca de 40% apresentaram defasagem na aprendizagem. Os resultados da avaliação mostraram que o impacto negativo não se deu de maneira uniforme, logo, há diferenças na aprendizagem entre os alunos e também entre as escolas.

De acordo com a Secretaria de Educação, será feito o reordenamento do currículo, que vai retomar o conteúdo não aprendido durante a pandemia de forma multidisciplinar. Essa aprendizagem não será por meio de aulas de reforço escolar ou recuperação. Cada escola desenvolveu o seu plano de reordenamento curricular, que está baseado nas dificuldades de cada um dos seus alunos.

Pessoal

Serão contratados 600 estagiários de pedagogia para atuar diretamente com os alunos. Desde o ano passado, foram contratados 809 profissionais, dos quais 363 são professores.

Em relação à tecnologia, os alunos irão utilizar aparelhos de chromebook, tablets e um leitor digital para estimular o ensino.

A rede municipal de ensino tem 55, 6 mil alunos matriculados na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também âncora do programa "Bastidores do Poder", da Rádio Bandeirantes de Campinas, que vai ao ar todos os dias das 10h às 11h30. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

1 comentário

  • Já que faço parte do nada seleto grupo de imbecis que ganhou voz na internet como me definiu o supremo ministro xande xerxes xerife, vou exercer meu papel e relembrar que foi o STF que tirou poderes do presidente Bolsonaro para gerir a crise da pandemia entregando aos governadores e prefeitos para que aplicassem as tais medidas sanitárias contra a pandemia e todos sem exceção alguma aplicaram a política do “fique em casa, que a economia vê depois” fechando escolas e o comércio.

    Sim, o desastre era previsto e, pra surpresa de ninguém, sabíamos que quando ele mostrasse sua cara governadores e prefeitos iriam tirar o corpo fora e jogar a culpa nas costas do Bolsonaro. Bingo….

    Enquanto Bolsonaro lutava pela abertura da economia e das escolas, dizendo em 2020: “é inadmissível perder um ano de aulas.”, o PT/PSOL/REDE/APEOESP entravam na Justiça pra barrar o retorno das aulas…..

    A desonestidade intelectual daqueles que pregavam o “fiquem em casa” diante dos resultados na educação pode ser visto pelo recente post da tiranossáurica deputada Tabata Amaral: “Esse é o mais trágico resultado de um país que não prioriza a educação e de um MEC que fecha os olhos para as suas responsabilidades. Não podemos abrir mão dessa geração! Garantir a recuperação da aprendizagem com conectividade, aulas no contra turno e acolhimento é fundamental.”

    Não custa lembrar que a amnésia sempre foi o alimento que a esquerda utiliza para sobreviver, com seus discursos sedutores vai arrebanhando gente inocente, desatenta e de memória curta. De narrativa em narrativa, sem qualquer compromisso com a realidade, com os fatos, sem honestidade intelectual alguma para admitir seus erros no passado recente. Mas a internet chegou chegando, quebrou o monopólio dos grandes veículos de comunicação deixando a militância de redação nua, uma vez que agora “os imbecis” têm como se manifestar, agora podemos nos contrapor as narrativas esquerdistas, algo que até então era censurado internamente nas redações.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.