Início » Rede básica restringe exames de ultrassom a casos de urgência

Rede básica restringe exames de ultrassom a casos de urgência

A onda de desabastecimento da rede municipal de saúde de Campinas que tem inviabilizado procedimentos básicos, como exames de urina, fezes ou de alergias por falta de insumos e materiais, atingiu em cheio os exames de ultrassom, considerado um dos mais importantes instrumentos para acompanhamento de saúde da futura mamãe e do bebê.
A Secretaria de Saúde informou ontem que só está fornecendo esse tipo de exame para os casos de urgência, como gestantes e pessoas com suspeita de doenças.
De acordo com a presidente do Conselho Municipal de Saúde, Maria Haydée de Lima, porém, dezenas de mulheres passaram a gestação inteira em Campinas sem que o exame tivesse sido realizado, num quadro inédito no sistema desde quando o exame foi introduzido na rede, há 30 anos.
“Nunca tivemos uma interrupção tão grande desse tipo de serviço”, disse ela. Especialistas indicam que o ultrassom deve ser realizado a cada três meses de gestação.
Haydée critica a aplicação do exame só para os casos específicos.
“O exame não é feito só para que se saiba o sexo do bebê. É feito justamente para antecipar o diagnóstico de alguma doença”, argumenta.
Em nota a secretária de Saúde informou que está em andamento a licitação para o fornecimento do exame para os casos de rotina.
Diz que a sessão pública da licitação foi realizada ontem e que a expectativa é que os exames “passem a ser disponibilizados em breve”.

Protesto
Maria Haydée disse ontem que o Conselho e diversas entidades ligadas à saúde e sindicatos, estão planejando uma manifestação em favor do SUS (Sistema Único de Saúde) e pela saúde na cidade. Ela conta que a manifestação será realizada no Largo do Rosário, dia 29. No final, será levado um documento ao prefeito Jonas Donizette (PSB). “A situação da saúde hoje em Campinas, é de colapso”, avalia ela.


Postos não têm material para medir glicemia

Há pelo menos três meses, Maria Conceição de Lima Santos está sendo obrigada a comprar um equipamento para medir a glicemia do marido – as chamadas lancetas – porque a rede municipal de saúde de Campinas não está disponibilizando o material.
As lancetas são fundamentais para pacientes diabéticos, já que fazem a medição correta do nível de glicemia no organismo e definem as doses de insulina a serem administradas.
Conceição conta que o marido precisa de três doses diárias e ela só está conseguindo na rede comercial de farmácias ou ela mesma está aplicando, com base na experiência. “Mas isso não é o ideal, né?”, avalia

Vereadores
Os problemas da rede básica de saúde têm preocupado os vereadores da base de governo na Câmara.
O vereador Jorge da Farmácia (PSDB) protocolou requerimento pedindo informações à prefeitura sobre a falta da lanceta. Outros quatro parlamentares – Rodrigo da Farmadic (PP), Permínio Monteiro (PV), Rubens Gás (PSC) e Zé Carlos Silva (PSB), estiveram ontem com o secretário de Saúde, Carmino de Souza para saber as razões do desabastecimento.
Rodrigo disse o grupo vai vistoria os postos a partir da semana que vem.

Texto: Tote Nunes

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

5 comentários

  • Pelo menos duas ultrassonografias por gestação, é o mínimo. E as mulheres com miomas? E as pedras na vesícula e cálculo renal? E os ultrassons de próstata? Ultrassom para identificar tumor na tireoide? Gentiiii, as pessoas vão morrer sem diagnóstico! Que grave.

  • Coisa antiga essa matéria, o vereador Nelson Ossri já fez esses pedidos, ele até acompanhou minha Tia Marilza no Ouro Verde e no postinho.

  • E com todo esse CAOS na Saúde, denúncia contra secretários e falta de $$$ para pagar salário dos servidores (30ago / 30 set / 30 out etc etc…..), o Prefeito tem a coragem de ficar na rádio educativa de manhã, falando de caravela, de casa da criança e de banheiro padrão shopping na lagoa do taquaral ????
    É o fim do mundo.

  • Concordo e esse e so o comeco ate o fim do mandato tem muita coisa pra vir a tona principalmente na Saude esta tudo de baixo do tapete e so ter coragem de levantar.Parabens amigas do radio!
    Campineiros atencao tem problema na SAUDE denuncie na Ouvidoria da PMC ou no 156 nao adianta querer brigar com funcionario.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.