Início » Sindicato faz protesto em frente ao Ouro Verde

Sindicato faz protesto em frente ao Ouro Verde

O Sinsaúde, que representa os funcionários do Hospital Ouro Verde, fez um ato hoje à tarde em frente à unidade hospitalar em protesto contra a situação dos trabalhadores. O ato ocorre dois dias depois da reunião mediada pelo MTT (Ministério Público do Trabalho) e os sindicatos que representam os funcionários, médicos e enfermeiros. Neste encontro em que a prefeitura aceitou pagar o passivo das rescisões trabalhistas de R$ 36 milhões da unidade hospital, mas informou que será parcelado, o Sinsaúde não aceitou a proposta e deixou a mesa de negociação. Já as entidades sindicais dos médicos e enfermeiros concordaram com as tratativas.

A administração propôs  arcar com o montante mensal de R$ 1,5 milhão, dedicado exclusivamente ao pagamento do débito rescisório, no prazo que varia de 18 a 24 meses. “É impossível fazer o pagamento à vista. Vamos resolver um problema que está há 14 anos”, disse o presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta.

Na semana que vem, segundo ele, será entregue um estudo de como serão feitos os desligamentos e substituições dos funcionários do Ouro Verde. “Iremos estimular que as empresas terceirizadas recontratem os atuais trabalhadores”, disse Pimenta. A gestão ficará sob o comando da prefeitura e a operação nas mãos das terceirizadas. 

Desde dezembro do ano passado, a prefeitura reassumiu a gestão o Ouro Verde que estava sob a responsabilidade da Organização Social Vitale. A mudança se deu após uma investigação do Ministério Público que desmontou um esquema de desvio de verbas públicas na unidade hospitalar. Dez pessoas estão presas entre elas dois ex-servidores da prefeitura e diretores da Vitale.

Rompimento

Sobre a saída do Sinsaúde da negociação, o secretário de Assuntos Jurídicos, Silvio Bernardin, explicou que só pode pagar o que estiver no acordo. “Se não estiver no TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) não podemos pagar. Para receber, esses trabalhadores terão de ir à Justiça”, explicou ele.  Os diretores do Sinsaúde não atenderam às ligações da reportagem do Metro.

Bernardin disse ainda que vai à Justiça para receber a verba referente às verbas rescisórias dos funcionários da Vitale. Dos R$ 36 milhões, parte do passivo é da antiga gestora do hospital, a SPDM.

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

4 comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Rose muito interessante sua matéria.
    Porém o SINSAUDE NÃO deixou as negociações conforme informado pelo assesssor do prefeito.
    Eles querem fazer os trabalhadores aceitar salários menores do que recebem hoje e condições de trabalho ainda mais precárias do que ja vivem lá dentro.
    Lógico que o papel do assessor é defender o chefe dele, no caso o prefeito Jonas.
    Os trabalhadores do hospital já sofrem muito para manter o CHOV funcionando e atendendo a população e não suporta mais o poder publico contando histórias desencontradas

    • Essa Leda é mentirosa com o LULA. Há dois anos distribuía panfletos na comunidade dizendo que o Prefeito iria retirar todos os moradores, para vender os terrenos. oi-se descoberto depois, que era ela mesmo queria que os moradores saísse de lá. paender os terrenos. Até o PTB teve que intervir.
      Comunidade ao lado da HÍPICA !!!!

  • Não era nesta sexta que terminava o prazo dado pelo MPT para que a prefeitura apresentasse outro plano para o pessoal do Ouro Verde que será demitido?

Mais Categorias