EDUCAÇÃO

Unicamp descarta fraudes nas cotas raciais de Vestibular 2019

Rose Guglielminetti
Escrito por Rose Guglielminetti

A Unicamp descartou nesta segunda-feira (06/05) fraudes nas cotas raciais do vestibular de 2019. Uma comissão formada por representantes da Comvest e três docentes investigaram as denúncias e chegaram a entrevistar os candidatos que teriam se autodeclarados pretos e pardos, mas que na verdade não atendiam os requisitos previstos em lei.

Segundo a assessoria de imprensa, a universidade recebeu uma nova denúncia que está sendo investigada.

No mês passado, a Unicamp confirmou que estava investigado casos de fraudes nas cotas raciais.

Essa foi a primeira vez que a Unicamp adotou cotas étnico-raciais para o ingresso nos seus cursos. A universidade destinou 25% das vagas para os cotistas sendo 10% por meio do Enem e 15% por meio do vestibular – um total de 835 candidatos, no universo de 3.340 aprovados.

Foto: Portal Unicamp

Sobre o autor

Rose Guglielminetti

Rose Guglielminetti

Sou comentarista política da Band-Campinas. Também sou colunista do programa "Bastidores do Poder", que vai ao ar todos os dias das 13h20 às 14h, na Band Campinas. Entre tantas editorias a de Política é a das que mais me atrai. E isso fez com que me enveredasse por esse caminho ao longo de minha carreira. Como repórter de Política sempre busquei oferecer notícias de bastidores do poder. E é isso que irei procurar fazer neste blog.

Atenção

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da autora do blog. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. A autora poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

1 Comentário

  • Parabéns aos doutores da Unicamp pela criação de seu tribunal racial, agora esses ilustres doutores desse tribunal é que decidirão quem vai ou não aproveitar a cota. Quanto a meritocracia individual, bom, esta segue ladeira abaixo… Como não foi informado na reportagem, a Rose poderia apurar quais foram os critérios utilizados para verificar se os alunos são considerados negros ou não. Será que foi através de exame de DNA ou por uma simples paleta de cores? Voltando no tempo, há 80 anos atrás em seus tribunais raciais os nacionais-socialistas de Hitler costumavam usar paquímetros pra medir o tamanho do nariz e assim averiguar os traços fenotípicos pra saber se a pessoa era uma cidadã ariana ou não, penso que evoluíram ou não?

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.